A cidade adormecida
Marcel Schwob (2011)
Brochura, miolo em papel pólen bold 90gr, 116págs.
Formato: 20x12,5cm.
Tiragem de 50 exemplares.
Tradução, introdução e notas de Camilo Prado.
Revisão de Márcio X. Simões.

R$ 20,00 (+ R$ 6,00 - registro módico)

Marcel Schwob (1867-1905) é todo vísceras e cores. Sua escrita fantástica é carregada de sangue, perfumes e alimentos, mesclados com aspectos sinistros e maldosos do ser humano, apresentados de uma maneira que poderíamos chamar de mágica. Nele a arte da escrita alcança as esferas mais altas da prosa francesa. Entre os simbolistas seu nome é quase um segredo, pois sua perfeição enquanto contista parece tocar de perto a poesia mais imagética e decadente de Maurice Rollinat ou as mais belas páginas de Villiers de L’Isle-Adam.
Nesta seleção o leitor encontrará doze contos que provam porque Schwob é um autor de raros leitores. Sua prosa se aproxima, em certa medida, daqueles franceses mau vistos devido ao seu exagerado gosto pelo extraordinário, pelo sonho e pelos narcóticos.
Leia o prefácio completo aqui.

Contos:
As embalsamadoras; A máquina de falar; O homem duplo; O incêndio terrestre; Os eunucos; O trem 081; Aracne; As estriges; O homem velado; A flauta; A peste; A cidade adormecida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Nephelibatas em movimento