A festa familiar em casa do Teles - Adelino Magalhães
Plaqueta em papel pólen bold, 36págs.
Formato 12x16cm.
(2a.) Tiragem de 50 exemplares.
Adelino Magalhães (1887-1969): A festa familiar em casa do Teles [conto de Visões, Cenas e Perfis, 1918].

[esgotado]

"Adelino Magalhães, anos antes do advento do Surrealismo, do monumental Ulisses de James Joyce e da escritura dos burgueses “modernistas” brasileiros, já havia criado tudo. Daí ser-lhe atribuído — por Andrade Muricy e Xavier Placer — o termo precursor. Mesclando linguagem áspera e poética, chula e bíblica, ele é uma espécie de anjo do subúrbio, um maldito intelectual de ânsia masturbadora, autor de memoráveis histórias: A galinhaO suicídio da Engole-homemA agonia de VenâncioAs bizuquinhasUm prego! Mais outro prego!...A greve. Além de precursor, no Brasil, da escrita automática e do estilo cinematográfico. A “ilha” Adelino Magalhães nasceu em 1887, na cidade de Rio de Janeiro, e, na mesma, faleceu em 1969. Publicou: Casos e Impressões (1916); Visões, Cenas e Perfis (1918); Tumulto da Vida (1920); Inquietude (1922); A Hora Veloz (1926); Os Violões (1927); Câmera (1928); Os Marcos da Emoção (1933), entre outros títulos. Dele, a Nephelibata publica também a novela Avante! Avante! e A greve — e outros contos; cumprindo assim seu dever para com nosso maior literato." [Camilo Prado].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nephelibatas em movimento